Business Intelligence: conceito, história e vantagens

Por

·

·

·

4 min. de leitura

O Business Intelligence transforma dados em soluções inteligentes e está mudando a forma como as empresas tomam decisões. Aprenda mais sobre o conceito!

Business Intelligence: conceito, história e vantagens

Business Intelligence é um conceito baseado no uso de dados e informações para a tomada de decisão de forma inteligente. Dessa forma, o método torna todo o processo decisório baseado em fatos e informações relevantes e não em achismos.

Atualmente, os dados são fundamentais para a sobrevivência dos negócios, pois sabemos que tornam as empresas mais competitivas e auxiliam a ganhar bons passos à frente da concorrência.

Por isso, achismos e decisões baseadas em feeling não são confiáveis e tão pouco escaláveis. Por isso, os dados são essenciais para a sobrevivência dos negócios.

Saiba mais sobre esse conceito e como ele pode ajudar a sua empresa a ganhar espaço nesse cenário tão competitivo.

O que é Business Intelligence?

O termo Business Intelligence, como ficou conhecido, acabou se tornando parte do Grupo Gartner pela sua ligação com a Dresner. 

Atualmente, podemos encontrar no site do Gartner a seguinte definição de BI:

BI é um termo guarda-chuva que inclui os aplicativos, a infraestrutura, as ferramentas e as melhores práticas que permitem o acesso e a análise de informações para melhorar e otimizar decisões e desempenho”.

Já a IBM define Business Intelligence (BI) em um dos seus redbooks como:

A coleta e a análise das grandes quantidades de dados para obter informações que orientem decisões de negócio estratégicas e táticas, para melhorar o desempenho de uma empresa no mercado”. 

Segundo a IBM, os dados podem estar relacionados a todas as partes do negócio, como transações e distribuição demográfica dos clientes, informações financeiras da empresa, processos de fabricação, gerenciamento de inventário, tendências da indústria, transações de fornecedores e perfis dos concorrentes. 

Assim, os dados de Business Intelligence são coletados de fontes internas, como sistemas de transação, processos de fabricação, registros dos clientes, bem como de fontes externas, como consultoria e estudos da indústria, mídia impressa e internet.

A SAS, importante fornecedora de soluções para Business Intelligence, definiu BI, em uma de suas publicações, como:

Uma ampla categoria de programas,aplicação e tecnologias para coletar, armazenar, analisar e fornecer acesso a dados para ajudar os usuários corporativos a tomar as melhores decisões de negócios”.

Em outro trecho, completou com:

É a arte de obter uma vantagem comercial a partir de dados, respondendo perguntas fundamentais”.

Business Intelligence x Competitive Intelligence

Aproveitando a definição SAS, é importante comentar que o benefício “vantagem comercial”, atingido com o uso de BI, em alguns momentos, gera confusão entre as definições de Business Intelligence e Competitive Intelligence. 

Apesar de ambas apoiarem a tomada das decisões, essas abordagens não são iguais, uma vez que a inteligência competitiva se limita a analisar e disseminar informações com foco especial nas relações com os concorrentes da empresa, enquanto o BI tem objetivos muito mais amplos.

Perceba que na definição da IBM, perfil dos concorrentes faz parte das informações tratadas pelo BI, ou seja, como termo guarda-chuva, podemos dizer que Competitive Intelligence atualmente é um subconjunto de BI.

A histório do conceito de Business Intelligence

O termo Business Intelligence (BI) surgiu em 1865 quando Richard Millar Devens o usou em seu livro para descrever um cenário de previsibilidade.

Dessa forma, a história mostra a vida de um bancário que conseguiu lucrar, pois baseou-se em informações (dados) e ganhou vantagem competitiva em relação à concorrência que não tinha acesso a essas informações.

Então, em outubro de 1958 H. P. Luhn escreveu “A Business Intelligence System”, um método criado por ele, que na introdução já dizia:

Um sistema automático está sendo desenvolvido para disseminar informações para as várias seções de qualquer organização industrial, científica ou governamental. Este sistema de inteligência utilizará processamento de dados, máquinas para auto-abstração e auto-codificação de documentos e para a criação de perfis de interesse para cada um dos “pontos de ação” em uma organização. Os documentos recebidos e gerados internamente são abstraídos automaticamente, caracterizados por um padrão de palavras e enviados automaticamente para os pontos de ação apropriados. Esse papel mostra a flexibilidade de tal sistema em identificar informações conhecidas, em encontrar quem precisa saber e em disseminá-lo de forma eficiente em forma abstrata ou como um documento completo”.

Esse documento basicamente fixou e trouxe notoriedade para o termo Business Intelligence. 

A partir desse momento, vários outros eventos transformaram a forma como entendemos esse conceito.

Eventos históricos que marcaram o BI

Em meados de 1964, o desenvolvimento do IBM System 360 e de outros sistemas de mainframe tornou viável para as grandes empresas desenvolverem os Sistemas de Informação de Gerenciamento (SIG).

Esses sistemas tinham o objetivo de fornecer aos gerentes importantes relatórios periódicos estruturados, mas ainda estáticos e sem recursos de análise ou suporte interativo.

Na década de 70 passamos a armazenar dados através de DASD (Direct Access Storage Device) e do SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados).

Já na década de 80 surgiram os ERP (Enterprise Resource Planning) que foram capazes de integrar os diversos departamentos da empresa e através do RBDM (Relation Database Management) passamos a utilizar estruturas de armazenamento mais estruturadas.

Diante do cenário criado até os anos 80, o termo de Business Intelligence já passou a ser relacionado como o processo de coleta, organização, análise, compartilhamento e monitoramento de dados.

Hoje, o conceito de BI é maior do que podemos imaginar, mas não deixa de ser uma análise de dados para tomada de decisões inteligentes.

Componentes do BI

A estrutura que compõe o Business Intelligence é muito robusta e complexa. Veja a imagem a seguir:

Imagem: Componentes do BI (Business Intelligence). Fonte: FIAP.

Em resumo fazem parte dos componentes:

  • Fonte de dados
  • ETL 
  • Data Warehouse
  • OLAP
  • Data Mining
  • Visualização
  • Dashboards

A complexidade do processo traz consigo a necessidade de pessoas técnicas para trabalhar no bom funcionamento do processo, tais como: engenheiros, profissionais de TI, data science, analytics e outros.

Vantagens da Inteligência nos Negócios

Os dados nos mostram muitas informações e essas informações precisam ser estruturadas para que nos entreguem insights inteligentes. 

Estruturar dados e entregar informações inteligentes é uma das características mais fortes do BI e isso gera diversas vantagens.

Entre todas as vantagens de implementar a Business Intelligence na sua empresa estão:

  • Redução de custos
  • Assertividade nas decisões
  • Melhora na comunicação
  • Otimização de processos
  • Maior conhecimento do público-alvo
  • Ganho de vantagem competitiva
  • Aumento de Vendas
  • Diminuição de erros
  • Criação de cultura analítica

Por fim, mais importante do que o dado, é como você utiliza ele. Então, para garantir que as pessoas estejam resolvendo problemas de forma analítica, crie uma Cultura Data Driven na sua empresa. Utilize os dados a favor da sua empresa e garanta resultados incríveis!

Ficou interessado pelo nosso conteúdo? Então, se cadastre em nossa newsletter para não perder nenhuma novidade.

O conteúdo oferecido faz parte da CosmoBots. Para saber mais sobre nós, acesse https://cosmobots.io/.

Siga a gente nas redes sociais: Instagram, LinkedIn e Facebook

Confira nossos e-books

Não perca nenhuma novidade do Blog da CosmoBots!

Veja também
Menu